Ep. 1 | Pratique Movimento | Escola de Movimento | PODCAST

Atualizado: 12 de jan.



Neste episódio de estreia, Rodrigo Salulima fala de sua história e de como decidiu largar o serviço público para abrir a primeira escola de Movimento do Brasil. Conta como conheceu Ido Portal e viajou para diversos países buscando seus ensinamentos, fazendo parte de seu programa de mentoria e ajudando a fortalecer a Cultura do Movimento no mundo: uma narrativa inspiradora, ainda com muitas páginas a preencher.


O professor fundador da Pratique Movimento fala também sobre os diversos perfis de alunos que procuram a escola: quem sempre praticou atividade física ou esporte e percebeu que precisava cuidar melhor do corpo ou adaptar sua prática para continuar; pessoas que negligenciaram o corpo, caíram no sedentarismo e depois decidiram se conectar com uma vida mais saudável; e entusiastas da Cultura do Movimento, que encontraram na Pratique uma referência no Brasil.


Na fala de Rodrigo, percebemos que ser professor e dono de uma escola de Movimento exige mais do que apenas conhecimento técnico no campo esportivo, expressivo e terapêutico, como dança, fitness, yoga, artes marciais, parkour ou circo; demanda um amplo espectro de habilidades em áreas como psicologia e desenvolvimento humano, liderança organizacional e comunicação.


Referências e links: WWW.PRATIQUEMOVIMENTO.COM

@pratiquemovimento (Instagram)

@rodrigosalulima (Instagram)

www.idoportal.com

@Ido Portal (Instagram)


#movementculture #idoportal #culturadomovimento #culturadomovimentobsb #pratiquemovimento #escolapratiquemovimento #dança #luta #mma #parkour #circo #fitness #yoga #rodrigosalulima #movementcamp


ENGLISH TRANSCRIPTION


In this debut episode, Rodrigo Salulima talks about his history and how he decided to leave civil service to open the first movement school in Brazil. He tells the story of how he met Ido Portal and traveled to different countries to learn from him, being part of his mentorship program and helping to strengthen the Movement Culture in the world: an inspiring narrative, with many pages yet to written.


The founding teacher of Pratique Movimento also talks about the different types of students who come to school: those who have always practiced physical activities or sports and realized that they needed to take better care of their bodies or to adapt their practices to continue; people who neglected their bodies, fell into a sedentary lifestyle and then decided to connect with a healthier life; and Movement Culture enthusiasts, who found in Pratique a reference in Brazil.


In Rodrigo's narrative, we realize that being a teacher and owner of a movement school requires more than just technical knowledge in the sports, expressive and therapeutic fields, such as in dance, fitness, yoga, martial arts, parkour or circus; it demands a broad spectrum of skills in areas such as psychology and human development, organizational leadership and communication.


PODCAST


Good morning, good afternoon, good evening. My name is Rodrigo Salulima. I am here to try to answer some questions which I'm not even sure I'll be able to. I keep wondering who is Rodrigo Salulima, what is Pratique Movimento, what is the future of our school, Pratique Movimento, and how did I get this far. Let's get started. This podcast was made for the students at our school, Pratique Movimento, but not just them. To all the seekers, enthusiasts, those who want to grow, to think more about their bodies, those who are here by accident, it doesn't matter, anyone interested in movement, movement is life, life is movement, these two words are intertwined. When movement ends, life ends. So, for us to leverage that which already exists within us, it is very important to think about it, to talk about it and, especially, to do something with it, that is, to move. And to start answering these difficult questions, who am I, what is the Pratique Movimento school, where are we headed to, we probably have to start with the main character of this whole thing, which is me and my story. So, I will try to summarize the unsummarizable, which is my life, my childhood and how did I get this far. I was always that very restless child, who was always venturing from one sport to another, I tried every sport available in my school, those available in my neighborhood, and always changing, I tried them all, handball, basketball, track & field, artistic gymnastics. My parents were a bit concerned about it. Listen, son, pick one. Why don't you focus on one of them? As a side note: parents, do not do this to your children. Let them have as many motor experiences as possible. This is what will give them a solid base, not just physical, but cognitive and social base throughout their lives. Thus, I really honor this early childhood restlessness, when I ventured from one sport to another, for I met new teachers, did new activities, took up new challenges, I had other experiences. That lasted more or less until I was 12 years old. At 12 years of age I started capoeira and capoeira was something that made me stop and stay for a while. I have thought a lot about it, and I like to use a term, which is "movement nutrition". I dare say that capoeira made me stay because it provided me with substantial movement nutrition. It is something we can't really say: is it about fighting or dancing? Right? It's fighting and dancing, all at the same time. Two people who are in the middle of a circle, so there is the social experience too, and we can't tell, from the outside, if they are in collaboration or in opposition, and often times they are in a gray area between these two. It's a restricted space, there is rhythm involved, there is a culture around it, so it is something very complex, it is beautiful and that was surely one of the reasons that made me stop and stay. Besides, I found a good teacher and finding a good teacher is essential. I usually say that when we find a good teacher, we want to learn. We want to learn from him, maybe you don't even know what he's going to teach, but that person has this aura and you feel something. You say "wow, I want to stay here for a while, I want to learn from this person". My journey in capoeira lasted about 12 to 13 years, but it wasn't just capoeira. In the meantime, I had started to work on my physique. When I was 15 I started working out, in the gym, to convince my parents, at that time, that 15 was a perfectly good age to start working out, that is, resistance or strength training. I had to start researching on my own to convince them. So I went after papers, I looked for studies to show them, I said "look, even for a child, working out and lifting weights, will not hinder growth, quite the opposite, it will stimulate growth." So I had to go after this to be able to prove it to them that it was something positive. And it certainly was, not only in the gym, but outdoors, on local pull-up bars at the street, the parallel bars, I always enjoyed it, and along this way, I never stopped testing other things, like skateboarding, footvolley was a sport that I played for at least 3, 4 years, I even competed and everything. Anyway, this was my journey in the world of sports, a journey that started very early and will certainly never end. When I graduated from high school, I had to go to college, and I chose physical education. Physical education was the most obvious choice possible. I had the support from my parents, so it was all good. At the School of Physical Education I had the full experience. I lived through the program of Physical Education in full. I didn't just pass by, studied for 4 years to get my diploma and left. I really was there, I spent the day, I joined research projects, I was a volunteer, I went to the laboratory, I really found myself there. As a child, I didn't really like to study in high school, I wasn't very good at school, I didn't quite fit the environment, you know, an environment that instead of assessing, analyzing, developing the multiple intelligences, picks certain types of intelligence to evaluate and forces students to adhere to those intelligences. Thank God I have in my home a great teacher, who is my mother. She has always been a teacher, and she told me herself: "son, the school assesses only some kinds of intelligence, you have other types of intelligence that are often times neglected at school". Anyway, school for me was something very important in terms of the social aspect, sports, just being there, present in that environment. But it was in college, at university, that I really learned how to study, to go to the library, to research, to ask. I'm positive I didn't ask any questions back in school. To this day I remember, when I thought about asking a question, my heart started racing, I didn't ask. Sometimes the guy next to me asked something and it was the same question, I thought "darn it, I should have asked". However, as I got to college, right at the first semester, I was invited to be an assistant. It was a difficult subject, biochemistry, a course that used to make students a little nervous, so the professor, at the end of the first two months, said "look, only two people were above average: Rodrigo and John Doe, and as of today you two are assistants". I was so shocked, how was I supposed to be a college assistant, I was never that person in high school. Only then I realized that I was enjoying studying, I was loving it, I was doing it for pleasure, it was something I really wanted to do. So I made the most of my four years there. I graduated. As I finished college, I was teaching several classes. I used to teach capoeira for children, I was also an instructor at a gym, I was in the fitness context, I was assistant to a physical trainer of a professional volleyball team too, so I was also working in high performance sports, but one day, something happened. I won't blame this fact alone, but my car was a pickup truck, and I carried all of my equipment in it, I used to teach a lot outdoors, and my car was stolen. They stole my car along with four years of investments in equipment. At that time, living in Brasilia, the capital of the country, it seems that there is a certain magnetic force that makes us want to join the civil service. I don't quite remember how I made that decision, but I started studying for civil service recruitment exams. I studied for two, three years, got approved in three, four exams and my profession was left, not completely abandoned, but on the sidelines for a while. I still practiced for my own sake, I never stopped being a practitioner and I still coached family, friends, and two or three students. I was caught up in this wheel that keeps on turning, which is civil service. I'm not saying it's a bad thing, I met a lot of good and happy people in there, but I felt that my life's mission was not in there. Until one day a friend showed me this blog by a guy from Israel called Ido Portal. I, D, O, Portal. I took a first look and I said "cool, it's interesting, he mixes some things up". In that first glance it didn't catch my attention that much, but then I started reading what he was writing and the words, the philosophy behind it started to get to me, and I should say that here: I didn't quite understand English. Then, in my job, in the civil service, in my breaks, I went "ok, I will translate this text from his blog". So, in addition to learning about movement from this person - more about him in a sec - I was learning English, too, forcing myself to learn English, and I went on to translate all the texts in that blog. One day, there came an opportunity for me to go to the United States to attend to a workshop. Ido Portal workshop, Movement X, in Miami. I checked the date, it coincided with my vacations, I said "I'll go, I'll try it". I went, not really knowing what I would find, but very excited all the same. It was shocking. Because I had a long experience in physical practice, not that I am talented, but I had a lot of experience, I was connected with my body, so in every course and workshop before, I used to be one of the more skilled people in the room, it had always been kinda easy. When I got there, there were around who had the hardest time in the workshop and was shocking to me. Damn, Rodrigo, how come, you've always appreciated the body, have always studied the body, have always experienced your body, how come you can't keep up with these people? What's so special about them? What's so special about these people who are studying movement under this new perspective? I fell in love. I fell in love with the way the teachers communicated, with the message being conveyed, and when it was over, they asked: "does anyone have any question?" Mine was: "If one wishes to continue studying with you under this perspective, how to do it?" "We offer online coaching, to get enrolled, send us an e-mail", and as soon as I got back in the apartment, still in Miami, I sent the e-mail saying I wanted to start. I went back to Brazil, back to my routine, and I started my online training. It was very demanding, it required at least 4 hours a day, so I had to squeeze these four hours of practice in the breaks of my 8-hour shift in the civil service, which was in the office, with air conditioning and computer, as many of you are familiar with. So I practiced a little in the morning, a little in the lunch break, I practiced a little bit at night, and I started to develop more and more. Then, another opportunity came by. I was already following every post by Ido Portal, my teacher, so I learned that there would be an event in Australia, it would be an internship. So I went there, to spend a week, really immersed, eating together, breakfast, lunch, dinner, practicing at least I met him in person for the first time. It was a very good connection, with him as well as with many participants, who are my friends to this day. And at the end of this week I took the opportunity to go on vacation, so I had three more weeks in Australia, I was going to spend a month. Then, Ido invited me: "do you want to hang around with us and keep practicing these days here?" I said "of course!" I didn't hesitate for a second. So, this internship, initially planned for seven days, became a 30-day immersion, with a lot of movement, next to the person who organized the ideas of the Movement Culture, which is a driving force for us here at Pratique. Well, I came back to Brazil, you can imagine how blown my mind was then, that good mess that was going on in there. I still worked in the civil service, but with that one-month experience in mind. I continued my online coaching, I started working under Ido Portal and I think it's worth talking about him now. I don't want this to take too long right now, but he is from Israel, and after... actually, we have a very similar life story, so, after experiencing many physical practices, like martial arts, gymnastics, resistance training, he began to realize that his passion was not one or another discipline, but movement and everything it implies. He decided to put it all together under the same umbrella. It's not a matter of doing this or that, this or that movement, it's about practicing movement and not just some movements. This is a very powerful sentence by him. So, he didn't create anything new in the sense of a new discipline or new techniques. He simply created a framework from which you could, let's say, bring together a contemporary dancer and a jiu-jitsu practitioner, two sportsmen from apparently very different worlds, but from the outside, maybe seen through untainted eyes, like a child's, the difference doesn't really show. In contemporary dance, you are rolling on the floor on your own, in BJJ you are rolling on the mat with another person, so there is a lot in common, these people have a lot to to talk about. So, he started bringing these worlds together and trying to find they had in common. Anyway, I started this relationship with him and I still maintain it, after many years. When I came back from Australia, actually when I was there, he told me: "in two months, we will host an event in Thailand called Movement Camp.” Over will gather to practice movement. It's a big workshop, a big camp, a big immersion. Eight days, if I'm not mistaken, in a sports resort, which is a resort that is designed for sports practices. So he told me a little bit about it, told me the date, asked "are you going?", then I said "well, I can't, I won't make it, it's expensive, I have to take some days off..." then he laughed and said "I think you're going." I came back to Brazil, I spoke with my wife, we planned our vacations and flew to Thailand in April 2014, or 2015, if I'm not mistaken. This was another experience which made my brain double in size, because I got to meet people from all over the world who think, act and have always wanted to do something just like I did. I came back to Brazil and my mixed feelings about being in the civil service kept increasing. On top of working, training, practicing four hours a day, I don't know how, by some miracle, I also started coaching other people. Friends, my mom was one of my first students, my wife, friends of friends... and many of them told me the same thing. One of them, specifically, Carol, came to me and said "this work you're doing is very powerful, it's changing my life, it’s changing the way I I interact with my body, but it would make a lot more sense to me if it was done in group. Would you consider teaching a group, maybe?" This happened again and again, several students sowing this seed in my head, to teach in a group, to teach group classes... So, first came the demand, and it began to make sense to me, I started calling three, four people, to go over to my house, or next to where I live, on some green spaces, to train, to practice together. I started organizing some events outdoors, the very first meetings. At some point I realized it no longer made sense to live this double life, to be in the civil service and trying to chase my dream, this dream I believed and still believe in. First, I managed to cut back on some of my working hours, so I could have more free time and then I decided: "I'm going to open it, I'm going to open a movement school, a place to teach". I looked for partnerships and partners, but people frequently misunderstood what I wanted, or would be looking to take advantage of my technical expertise and join in as investors. I never knew and to this day I do not know much about business, and, by the way, those of you who are watching this podcast on YouTube and can see the video, I'm in Pratique's office right now. I don't sit here, I don't work from here, I'm a teacher. I am a teacher and founder. This is how I define myself and it is who I like to be. So there was no way I could start a business, I didn't have the expertise at the time. I was about to partner up with two people I did not know well. In the day I woke up to sign the contract, my father called me and said: "son, don't do it. I'm retired, I see that's what you want to do, I'll be your partner, let's do it together." It was the best thing that could have happened, we went looking for a space to rent and we found one here in the neighborhood, it was a former ballet school. So everything fit perfectly, a good wooden floor, a good space. As soon as we found it, it was very exciting, you know, we had visited five or six places before and it just didn't click. When we walked in, I shivered and said "this is it, this is where we are going to settle". So we rent it and set up the company, all that bureaucracy, it makes me shiver, but not the good excitement shiver I just mentioned, but a bad, chilling feeling, and then I set two boats afloat at the same time: my regular job in the civil service, I worked in a very nice institution, I was an expert in financing of education projects in the National Education Development Fund, then I moved to Inep, another institute, of studies and educational research, that is, in one way or another, I was still working in educational settings and it was not something bad, it was a good thing, I liked it there, but movement was what I really loved. So I had these two boats afloat. I started teaching in the morning, lunch time and in the evening. All the while, living this double life. When I felt that the Pratique Movimento boat began to get more robust, I said "I need to muster the courage and take the leap". There is no way you can take a leap gradually, a leap is a leap, there is a moment of uncertainty. You are in the air and you don’t know what is going to happen. It was very difficult, it wasn't easy, it's not something I remember as "wow, that was a smooth transition". In my mind, yeah, it was the right thing to do. But my cells, my fears, my projections, traumas, all of them started screaming "are you serious about this? Will you get out of your comfort zone, abandon the stability of your job for the rest of your life?" The thing is that people, and sometimes even my own mind, did not understand that this stability was actually a prison. It was like they say, the famous golden cage. It was made of gold, but it was a cage and I was in it. So I decided to take the leap, I filed my discharge from the civil service. I could've filed for a temporary leave for personal reasons and go back after a while, but I didn't. I chose to be discharged, because I didn't even want to have the chance to go back. Today I can't imagine my life in the civil service. Anyway, that was the beginning of the "Little Pratique". Nowadays, me and the students here at Pratique Movimento school are based elsewhere, I'll tell you about this other journey. We talk about "Little Pratique" with a lot of affection. We were there for three to four years, in a space of about 40, 50 square meters, until we started having 30 students sharing the space at the same time, so we got to the best of problems, that is: it got too small for the number of people willing to practice. And then we decided to take a bigger step, we decided to build the first movement school in the world, from scratch, from the ground up. To build our headquarters, a center, a club, an edifice, a temple for me, for movement practice. I say the first movement school built from the ground up because there are others around the world. Ours, just so you know, is actually the second in the world. The first was founded in Israel, by one of Ido's students. Then we came, then another one in Boulder, Colorado, in the United States, and nowadays there are some. But the first one that was actually built from scratch, is our school. I'm very proud to say this, because it was another big step, and today we are filming this in our own place. Well, about the school, Pratique Movimento. What is Pratique Movimento and what do we teach here? What is this thing we call a life practice, which we try to teach here, and I should explain why I say "try to teach" and not "teach". I say "try" because a life practice, teaching, living, having a life practice is a verb, it's something that is under construction. This reminds me of Epictetus' quote: "happiness is a verb", you can't reach happiness, you build happiness on a daily basis. And having a life practice, for me, is like a verb. Movement can become a life practice. I'm not saying that it's the only one, there are several possible life practices and all of us human beings can look around to find our own. It may be craftwork, baking bread, working, being a teacher in a school, triathlon, you can choose your life practice. There are some prerequisites for something to be a life practice, but you can build your own. You build it, it's organic, it's for you, it's an individual practice. And I believe that movement matches really well this concept of life practice. It is a broad, complex perspective, which brings you longevity, brings you sustainability of the body, so that you keep using in a healthy way until the end of your life. It encourages you to introduce healthy habits in your life. So, you choose a life practice that, aside from all the benefits, comes with a lot of by-products... and more! For example, the social aspect, the community, being in the community, being with people treading the same path as you. I usually say that the path that each one treads is lonely, but the journey as a whole is a collective journey. If you are in an environment, a school, a community where you know that people share the same values as you do, knowing that this is a collective journey, it's very powerful. So for me a life practice is something that is cultivated on a daily basis, and movement can serve as a microcosm, a laboratory, so we can use out there what we learn in here. There is no such thing as out there and in here, it's all the same. The person Rodrigo, who is here teaching at the Pratique Movimento school, is, or at least should be, the same Rodrigo who is shopping at the supermarket, and talking to the supermarket cashier, respectful, attentive, looking people in the eye, who is at home, minding his obligations, who is with his family... I'm not saying it's easy, that I manage to do all that. I have a lot of faults, but for having a life practice which constantly makes me look at who I am, like... how am I doing this activity? How did you look at your partner when he gave you that instruction? How did you do this movement? How was your mind before starting this activity? Were you assuming you were going to need a lot of strength or did you start off relaxed, open to the possibilities? Therefore, being here, every day, present in an activity that makes me think about how am I going to take a step, walk, act, react in this world, that is something totally transferable to anything I'm going to do outside, out of this space, out of this box. I usually tell my students, and I say it to all of you who practice any type of physical activity: do not be dependent on a place, a physical structure to practice. Ailton Krenak says we already live in boxes, we drive boxes all day long, and then when it's time to work on our life practice, our physical activity... being dependent on yet another box is not something I agree with. So I always tell them "take movement to the outside, too, take it to the parks, at home, save some space in your room to practice movement". This, in fact, is one of the great good by-products brought by the pandemic. The pandemic is a restriction, and there is this concept by my dance teacher, Shai Faran, from Israel. She gives us some instructions and activities, and she creates restrictions. She says "I'm creating these restrictions to bring you freedom". So, for example, we can only move on the floor, but we can't lift the right hand from the floor, this is a restriction. After spending rounds and rounds moving across the floor, with the right hand always in contact with the floor, you're forced to find new possibilities to move your body, that is, this initial restriction has brought freedom. That's why I said that movement is a laboratory, it is a practice, a microcosm, for life. Anyway, this restriction brought forth by the pandemic, causing us to be confined, to stay at home, having to resort to online activities, has created some freedom. Some freedom in the sense of reshaping our own homes, the environment in which we live. A lot of people got rid of an old couch that wasn't being used, or gave away a bed, moved the furniture, got rid of the rug, bought some equipment, got a place to hang, a piece of soft mat, a carpet... and set up a space in their own homes to move around. This is beautiful, this is a good by-product of the pandemic. Another good by-product it created is autonomy. When we are always attending to classes, I noticed this from watching you, my students who are listening to me, and also those who practice some other activities, maybe they have noticed this as well. When we are in a class, with the teacher there to guide us, it's great, it's very good. In fact, I miss this a lot, and that is why I'm always looking for teachers, always seeking, I am an eternal student. There is a teacher here at Pratique Movimento, she is also my student, Ana Terra, and she says she chose to be a teacher as an excuse to be a student for life, and I fully agree with that. Being a student requires us to have a certain of heteronomy, when you are studying directly under a teacher, but you need a certain degree of autonomy. I used to say that word, autonomy, even when I didn't quite knew how was I supposed to teach it to my students, and the pandemic made me realize that I can't really teach them to be autonomous. They need to be willing, they need to have some tools available, plus the desire and the time to develop this autonomy. So this word started to pop up from the students, who said: "geez, teacher, during this pandemic I finally understood the meaning of that term we hear about so often here, to develop autonomy, for the first time I I developed my autonomy to practice when I'm home alone, I'm also teaching my relatives”... so yeah, lots and lots of good things happened, too, in the middle of this whole mess the world got into. But what about the school, Pratique Movimento, in the middle of all this? What is this school, this identity, this archetype that that has emerged? The Pratique Movimento school, for me, above all, is a blank page. It is a blank page because many things can be written here. This is something that I usually tell my team of teachers. Folks, Pratique is not something fixed, it hasn't become anything, hasn't arrived anywhere yet. I see it as something fully modular, made of a different substance, malleable, which can be disassembled, merged with other elements, and we do not know the future, we can write our own history here. So it's a blank page, but it doesn't mean it has no beginning, nor that it hasn't been someone's dream. Pratique Movimento came into being to unite people who have always felt they needed something more for their bodies, who have always felt there is something more than just disciplines, more than only the values of aesthetics or performance. So I usually say there are three basic types, there are many more, but I will categorize, I'll label it, I'll do something I hate having done to us, which is to label. More on that in a second, for now, let me tell you about the three types of students, of people who come looking for us here. First, perhaps the largest one, is the group of people who have always liked sports, always played sports in childhood, in adolescence, and who, in the course of life, were driven to other directions, ended up focusing more on work, children, family, and started to neglect their own bodies. One day, after some time, they began to realize: “I need to go back to physical activities, I'll get back to what I liked”, back to playing soccer, fighting, dancing, and then they realize their bodies are no longer so responsive. The body is moving towards degradation. What we can do is to minimize these effects and guarantee a better quality of life, but all bodies are moving in that direction, no one here is getting any younger. So, people realize: “I'm neglecting my body, I want to go back, I don't have the tools to get back on my own.” And then two things can happen, actually three things. You may give up. "This is no longer for me", you gave up. You chose, you made your choice, made a decision, you will pay a price. All decision pathways are choices and they have a price, I'm not here to tell you what is right. Second pathway: you realize you can't do that same activity you wanted to, which you liked, but there is something different, perhaps more adapted to you, so you make the transition, "this one is friendlier, it's a little less demanding on my body". Then in five years maybe you realize that doesn't work either, then you move to another, and another one, until you end up with, simply, just walking. I'm not saying that walking is bad, taking walks is very good, it's totally underestimated by our society, I walk myself. But what happens in this second case is: instead of you choosing your practice, your practice is choosing you. Because of your restrictions, you started looking for activities like "oh, this one I can still do." But maybe you could, if you had an educational support, a process behind it, choose another practice, which is the third pathway, to say "I will look for alternatives" and that could be an endless road, you can be self-taught and search the Internet, nowadays all the information is there, the hard part is finding good information, so lack of information is no longer a problem in our society, the problem is to find, to filter the good information. You can look for a good teacher. You can look for a good institution, take courses and develop. So, the audience, going back to what we were saying, this audience, which may even be the biggest group, is made of people who have always played sports, then realized they were losing some physical qualities and decided to come back by joining Pratique Movimento. The second kind of audience that usually finds us is very peculiar and a very big part of our students, too. I really like working with them, I enjoy working with everyone, because everyone has their own peculiarities. They're the sedentary ones, people who have always neglected their bodies. And they may start to pay the price a little earlier than those that were active for at least part of their lives. And then, maybe by medical recommendation, or because life shook them up, a health issue came up or they had an insight, something clicked and made them realize "I need to do something". They come looking for us. Excellent, there is a saying from the strength training context, which is "the less trained an individual is, the more trainable he or she is". What does it mean? If you have less skills, your learning curve will be much steeper than that of people who have always practiced something, working the body one way or another, their evolution curve tends to be a little less steep, takes them a bit longer. So it's very good to work with this group as well. There is a catchphrase, a sentence usually quoted from the the sustainability and environmentalism context, about the best time to start, they usually say this about planting trees, but it's also applicable to movement practice. People sometimes ask me: "oh, but I'm too old, what's the best time to start?" The best time to start practicing movement was time is right now. So it's very good to work with people who have had this insight, this realization, and it's very good to help, to contribute to their journeys. And the third type of audience that usually shows up here is the group of enthusiasts, people who, like me, were always looking for a place, a practice like this, not knowing it existed. People that have always liked to practice different activities, moving from one activity, one sport, to another, and when they find us their eyes shine, they get goosebumps and say "that's what I was looking for and I did not know." We have corporate values and a corporate mission, we do, although, as I say, it's also modular, it's also a verb, we can also, along the journey, acquire knowledge to build it as we go. But I believe the essence remains, the essence is that we are here to help people to connect more with their bodies, to better understand their bodies, to maintain a better quality of movement. But quality of movement for which movement? For every movement, from difficult stuff, like juggling, moving across the floor, to simple things like walking down the stairs, brushing your teeth, hiking... quality is one of the keywords. It's not about what we do, when we do it, why do we do it, it's about HOW we do it. So "how" is one of the keywords here. Also, one of our missions is that this community that we are building here becomes self-regulated over time. That our students are not forever dependent upon the group of teachers, upon the school's teachers, but that the students start to become actors and take up active roles in here. And, who knows, turn this school into a University, right, as an analogy. When I say “community”, it's not always easy for people to understand what I mean. But I usually say that Pratique is like a club. Here, you don't just sign up for one or two days a week, or three, you actually become a member of a club, you come as many times as you want. You may spend the day here if you want to, you may come and work from here, many students use the space as a coworking venue. You may come, train and go straight to work, or come from work, shower, practice. You might want to come over to sunbathe, we have a terrace here, you might come to talk to friends, to connect with people, you come here to learn, to meditate, we have a room just for that, for internal practices. Everything that is built here is done so with the students, we have a vertical garden on a wall, ornamental plants, it was designed by a botanist, Maria Rosa, our student, who said "I volunteer to design the garden", among several other examples. One day I got here and my father was fixing the air conditioner and a student was helping him out. Sometimes a student comes up with an idea, often when the teachers are brainstorming, deciding on the next cycle's contents, the things we'll work on for the next weeks, students come up with ideas, too. Since I mentioned the cycles I think it's worth talking about them, about how we organize the classes here. I won't dive too deep into that because the purpose of this episode is not to address the technical part, but sometimes people look from the outside and might think we're just doing a completely random set of exercises. No, our practice is diverse. But a diverse practice is not the same as a random practice. We combine a set of contents into a logical sequence, which makes sense, and every six weeks we shuffle and change those contents, some things remain, others are dropped, and so we grow, expanding our student's movement toolboxes. Another mission we have in Pratique Movimento, which is something that I've been thinking about a lot, most recently... Actually, everything I I'm saying here, folks, is likely to change in ten, fifteen, twenty years from now. You are now listening to the thoughts of Rodrigo Salulima, founder of the Pratique Movimento school, in this exact moment, at this time of this year. So, everything can change, we are here to to grow. Intelligent is the one who changes one's mind. So, something I've been thinking about a lot in these last few weeks is that Pratique Movimento, our dear school and these seeds we are sowing in Brasilia, in Brazil, in the world, will pave the road, will facilitate access, in the future, for people who want to practice movement, but who do not want to be limited to something that already exists. People who want to play more, dance more, improvise more, fight more. Nowadays, if I'm in the park doing my stuff, it's not something that will be understood, that people will see and get it, and will identify with that so easily. Maybe a child will, at 5, 6 years of age, children come closer right away, they look at me, try to mimic me and my students in the open classes we sometimes have. But teenagers and adults, they look a bit sideways at us and find it odd, because we are playing, we are coming up with new games, too. People may find me balancing on the handrail, or playing with a tennis ball, or with small bats, a broomstick, or maybe moving across the floor. And some people will often judge, like "look at the freaks in the park" and I think Ido Portal always said "be the weirdo", so be that weird person in the park. I believe that, because we are a group of good people, cultivating good practices, we can inspire others to be weirdos and maybe what is weird today won't be so weird in the future. Maybe we'll help to pave this road, as I said, so that young people in the future will be playing more, inventing more games and beyond. Maybe the way the city is designed starts to change. Maybe at the bus stops there will be structures for people to hang, and squat. I have a project with two students here from Pratique Movimento, one is a designer, the other an architect, and we're building a “movement kit” in the square in front of the school. Not a regular workout station like the existing ones. But a more open and modular station, which we could spread around the city. Open up possibilities, create the conditions. I think the main idea, the guiding principle is "to create the conditions for people to move more", that's what we do in here. We don't teach anyone how to move. I don't, I can't, I don't have the power to grab a student by the hand and say “come on, you're going to do this, this, and that movement, like this, like that and such”. I can't do this, no teacher can. What we try to do here is to create the conditions, to create a favorable environment for this education to flourish. The student needs to want it, he needs to do it. He is the main actor. Nowadays we have this tendency of outsourcing everything. We want to be taught how to eat, then we find and hire a nutritionist. We want to outsource the way we heal from an injury, so we hire a physical therapist. It's great, I have my nutritionist, I have my physiotherapist. I think that everyone should look for good professionals, but you don't have to outsource everything, do your own research too, be an active, responsible, self-reliable individual. So, in terms of recovering from injuries, in physiotherapy, for example, you acquire tools, ask for help, asking for help is very important, being vulnerable, seeking out those who know more, but the main agents of recovery are ourselves, our body is a problem solving machine. This is a very powerful sentence by a dancer from Sweden named Rasmus. Rasmus Ölme. Actually, in a future episode, I'm going to read you a sentence by him, it is in his PhD thesis. We are problem-solving machines, that is, the body is always moving towards healing. It may well be that we do not provide or create a favorable environment for recovery to occur. In some cases, by creating a favorable environment, either with physical practice, nutrition, exercises, maybe by changing your frame of mind, with meditation, taking trips, days off, having a conversation with a friend, maybe after venting, after a therapy session... Just by creating the favorable conditions, by opening up some space, the body will move in the direction of recovery. At this point of the episode it should be a little bit clearer who Rodrigo Salulima is, what is Pratique Movimento and where it came from. But where are we going to? Where are we all going? I'm I think Rodrigo and Pratique are mixed up in this question and I'll try to address it. Where are we going to? It's a blank page, I've said it already today. But I think we have some directions. I think we're moving in the direction of inspiring, paving ways, and turning, at first, the neighborhood where we are, into a place known for having a lot movement going on, a place where people practice movement on the streets, then we do the same with Brasilia. Brasilia can come to be known as a city of movement, where people move, in the streets, outdoors, they are looking for more diverse physical practices and, of course, Brazil, the world. I think the school, Pratique Movimento, will end up evolving one day to become a university. It's just a play on words that I'm doing here, but what I mean by University is having more arms, more space in the school for people who want to dive deeper into one or another area, so the students can create these arms and become the agents of this expansion themselves. So, study groups, immersions, book clubs, everything in the sense of opening up new possibilities here. Hanging out, performing, hosting art shows, I don't know, it's a blank page, but I guess that we'll become more like a university, and build together new, modular, changeable things. I also think that we will get to the point where we start to take this knowledge to other places. We do not usually offer workshops, some people question that. Why do you barely host any workshops? In my view, Pratique Movimento is still a baby. Like I said at the beginning of the episode, we have not “arrived” anywhere. We keep walking, maybe we will never get to a destination, and that is the beauty of the game. It's an infinite game, a game that never ends. A game where the best player is not the one who wins, but the one who keeps playing for longer. This is the concept of infinite games, by James Carse. So I think we need to last a long time for things to flourish. But coming back to the topic of workshops, we are just a baby. At the beginning, I was focused, me the other teachers, the team, when I I say "I", guys, it's me, Pratique Movimento, the entity Pratique Movimento. So Pratique was focused on growing from the inside, so we strengthened our core, our essence, our main tribe. We put our energy in here. Into building a strong core, a solid foundation. And now, as we are somewhat established, like a little baby at legs... but you know, 2 to 3 years is that age... It is one of the most complicated ages, you look to one side, when you look back, the baby is on the edge of the precipice, with its head in the mouth of a lion, with one finger in the power socket, walking into the fire, but at least walking on its own. So, Pratique is already walking with its own legs. It may be the moment to start spreading this knowledge in the format of workshops or internships, so people would come here to stay for a while. I think we are getting to this point. With that we can wrap up our first episode. If you felt connected with these ideas, with this practice, with this perspective, please subscribe to the YouTube channel, follow the podcast, stay tuned on the website for future releases, and for the products to come. It probably won't always be just me talking to you, we will have some guests, teachers from Pratique Movimento, teachers from other schools, we will chat about many other things, about specific points of the practice, sometimes we might close in on a specific theme, other times it could be an open conversation, we will open for questions, we are collecting questions from our students, as well. Some day we may open for questions from the audience, too. Anyway, I think the seed was sown, I hope that our project keeps growing more and more, and that's it, folks. I'm counting on you to help us on this journey, because, as I said in the beginning, this is a community, it is built alongside all of you. See ya! [Music]


Transcrição em Português


Bom dia, boa tarde, boa noite. Meu nome é Rodrigo Salulima. Eu estou aqui para tentar responder algumas perguntas que eu mesmo não sei se eu vou saber responder. Eu vivo me perguntando quem é o Rodrigo Salulima, o que é Pratique Movimento, para onde vai a nossa escola Pratique Movimento e como que eu cheguei até aqui. Então vamos começar. Esse podcast foi feito para os alunos da nossa escola, a escola Pratique Movimento, mas não só para eles para todos os curiosos, entusiastas, para quem está a fim de se desenvolver, de pensar mais sobre o corpo, para quem chegou aqui de paraquedas, isso não importa, para quem está interessado em movimento, movimento é vida, vida é movimento essas duas palavras se confundem. Quando acaba o movimento, acaba a vida. Então, para a gente potencializar isso que já existe dentro de nós, é muito bom a gente pensar sobre isso, falar sobre isso e, principalmente, fazer algo com isso, ou seja, nos movimentar. E para começar a responder essas perguntas difíceis, de quem sou eu, o que é a escola Pratique Movimento, para onde a gente vai, provavelmente a gente tem que começar com o ator principal disso tudo, que sou eu, é a minha história. Então vou tentar resumir o "inresumível", que é minha vida, minha infância, como eu cheguei até aqui. Eu sempre fui aquela criança muito ativa, que vivia pulando de um esporte para o outro, eu fiz todos aqueles que o colégio deixava disponível, que tinha por perto no bairro e fui pulando, todos mesmo, handebol, basquete, atletismo, ginástica olímpica. Inclusive meus pais ficavam um pouquinho incomodados com isso. Poxa cara, pára em algum. Por que que você não foca em algum. Eu faço um parênteses: pais, não façam isso com seus filhos. Deixem eles vivenciarem o máximo possível de experiências motoras. É isso que vai criar uma base, não só física, mas cognitiva e social para o resto da vida. Então, eu honro muito esse início da minha infância, que foi quando eu pulava de um esporte para o outro, conhecia outros professores, outras atividades, outros desafios, tinha outras vivências. Isso durou mais ou menos até o meus 12 anos de idade. Com 12 anos de idade eu entrei na capoeira e a capoeira foi algo que me fez parar por um tempo lá. Eu já refleti muito sobre isso e eu gosto de usar um termo que é "nutrição de movimento". Eu arrisco dizer que a capoeira me fez parar porque ela me ela me fornecia uma nutrição de movimento muito grande. É algo que a gente não consegue dizer: é luta ou é dança? Né? É luta e dança também, ela é tudo isso. São duas pessoas que estão no meio de uma roda, então tem essa experiência social também, e a gente não sabe, quem vê de fora, se elas estão em colaboração, estão em oposição e muitas vezes elas estão numa área cinzenta entre esses dois. É um espaço restrito que tem ritmo envolvido, tem cultura envolvida, então é algo muito complexo é bonito e com certeza foi um dos motivos que me fez parar por lá. Além de que, eu encontrei um bom professor e encontrar um bom professor é algo primordial. Eu costumo dizer que quando a gente acha um bom professor, a gente quer aprender. A gente quer aprender com ele, a gente às vezes nem sabe direito o que que ele vai ensinar, mas às vezes aquela pessoa tem uma magia e você sente algo. Fala "nossa, eu quero parar um pouco nesse lugar, eu quero me desenvolver ao lado dessa pessoa". Minha jornada na capoeira durou mais ou menos uns 12 a 13 anos, mas não foi só capoeira. Nesse intervalo, eu já comecei a desenvolver na minha parte física, com 15 anos eu entrei na academia tradicional para convencer meus pais naquela época que, com 15 anos de idade, já era uma idade ideal para a gente começar uma prática, um treinamento resistido, de força. Eu tive que começar a pesquisar sozinho e provar para eles. Então eu fui atrás de artigos, eu fui atrás de leituras mostrando "olha só, não quer dizer que a criança que faz um treinamento resistido com pesos, que isso vai atrapalhar o seu crescimento, muito pelo contrário, vai estimular." Então eu tive que ir atrás disso para poder provar para eles que era algo positivo. E com certeza foi, não só na academia, mas fora, o circuito desses de bairro mesmo e nas esquinas, de barras paralelas, eu sempre dei muito valor para isso e ao longo desse caminho, nunca parei de testar outras coisas como andar de skate, futevôlei foi um esporte que eu me dediquei por pelo menos uns 3, 4 anos, participando de campeonatos e tudo. Enfim essa foi minha jornada no mundo esportivo, uma jornada que começou logo cedo e que com certeza absoluta não vai acabar. Quando eu me formei no colégio, tinha que escolher a faculdade, e eu fui para a educação física. Educação física para mim foi a escolha mais óbvia possível. Tive o apoio dos meus pais, então foi tudo certo. Na Faculdade de Educação Física eu vivenciei. Eu vivenciei a Universidade de Educação Física mesmo. Eu não só passei por lá, esperei 4 anos para receber meu diploma e fui embora. Eu realmente estava lá, eu passava o dia lá, eu participei de projetos, eu fui voluntário, eu entrava no laboratório, eu realmente me descobri ali. Eu não fui uma criança que gostava de estudar no colégio, que me dei muito bem no colégio, que me inseri naquele ambiente, né, um ambiente que ao invés de avaliar, analisar, desenvolver as inteligências múltiplas, escolhe certos tipos de inteligência e deixa as pessoas que estão ali presas àquelas inteligências. Graças a Deus eu tenho na minha casa uma grande professora, que é minha mãe, que sempre foi professora, e ela mesma me dizia isso: "filho, o colégio analisa alguns tipos de inteligência e você tem outros tipos de inteligência que às vezes eles não estão analisando ali". Enfim, o colégio para mim foi algo muito importante pelo social, pelos esportes, por estar ali, presente em um ambiente. Mas foi na faculdade, na universidade, que eu aprendi realmente a estudar, a ir para a biblioteca, a pesquisar, a perguntar. Com certeza eu não fiz nenhuma pergunta no colégio. Eu lembro até hoje, quando eu pensava em fazer uma pergunta meu coração disparava, eu não perguntava. Às vezes o cara do lado perguntava e era a mesma pergunta que a minha, eu falava "poxa, devia ter perguntado isso". Mas já na universidade não, logo no primeiro semestre eu fui chamado para ser monitor porque era uma matéria difícil, bioquímica, uma matéria que costumava deixar as pessoas um pouquinho nervosas e a professora ao final do primeiro bimestre ali falou "olha, só duas pessoas ficaram acima da média: o Rodrigo e o Fulano e a partir de hoje vocês são monitores". Aquilo para mim foi um choque, como eu vou ser monitor, nunca fui essa pessoa no colégio. Só que ali eu percebi que eu tava gostando de estudar aquilo, eu tava amando, eu tava fazendo aquilo por prazer, era algo que eu realmente queria fazer. E fui vivenciando meus quatro anos. Formei. Quando estava formado, eu dava várias aulas. Eu dava aula de capoeira para criança, eu dava aula em academia, eu já estava inserido no contexto fitness, eu era assistente do preparador físico de um time profissional de vôlei também, então eu estava inserido no esporte de alto rendimento, mas algo aconteceu. Eu não vou botar a desculpa só aí, mas meu carro era uma picape, eu tinha meus equipamentos lá, eu dava muita aula na rua, e roubaram meu carro. Roubaram meu carro com todos os meus investimentos ao longo de quatro anos em equipamentos. Nessa época, morando em Brasília, capital do país, parece que existe uma força interna que faz a gente querer ir para o serviço público. E eu não lembro direito de como tomei essa decisão, mas eu fui estudar para o serviço público. Estudei dois, três anos, passei em três, quatro concursos e deixei a minha profissão não de lado, mas deixei ela um pouquinho na reserva, ali. Continuava fazendo no meu próprio corpo, sempre continuei sendo um praticante e dando aula para familiares, para amigos, mantendo dois ou três alunos ali. E estava entrando nesse carrossel que continua girando, que é o serviço público. Não estou dizendo que seja algo ruim, eu conheci muitas pessoas boas e felizes ali dentro, mas a minha missão, eu sentia que não era ali. Até que um dia um amigo me mostrou um blog de um cara, um israelense chamado Ido Portal. I, D, O, Portal. E eu olhei pela primeira vez, falei "legal, é interessante, ele mistura umas coisas". Logo na primeira vez que eu vi não chamou tanto minha atenção, mas eu comecei a ler o que ele estava escrevendo e a leitura, a filosofia por trás começou a chamar minha atenção, e um parênteses aqui: eu não entendia muito bem inglês. Então lá no serviço público, nos meus tempos de ócio, eu falava "não, vou traduzir esse texto do blog dele". Então, além de estar aprendendo sobre movimento com essa pessoa sobre quem eu vou falar um pouco mais, eu estava aprendendo inglês também, me forçando a aprender inglês, comecei a traduzir todos os textos desse blog. Até que surgiu a oportunidade de eu ir para os Estados Unidos para fazer um curso. "Vai ter um curso Ido Portal, Movement X, em Miami". Eu vi a data, coincidia com minhas férias, falei "vou lá, vou lá conhecer". Eu fui, sem saber direito o que o que eu iria encontrar, mas ao mesmo tempo muito empolgado. E foi um choque para mim. Por ter muita vivência física, não digo que eu sou talentoso, mas eu tive muitas vivências, eu estava conectado com meu corpo. Nos lugares que eu ia, e cursos, workshops, eu costumava ser uma das pessoas com mais habilidades, que me dava bem na sala. Quando eu cheguei lá, tinha mais ou menos que passaram por mais dificuldades e aquilo para mim foi um choque. Caramba Rodrigo, como você que sempre gostou do corpo, que sempre estudou o corpo, sempre viveu o seu corpo, não está conseguindo acompanhar essas pessoas que estão aqui? O que que tem de especial nelas? O que tem de especial nessas pessoas que estão estudando movimento sob essa perspectiva nova. Eu me apaixonei. Me apaixonei pelo pelo modo como os professores se comunicavam, pela mensagem que estava sendo passada, e assim que acabou eles perguntaram: "alguém tem alguma pergunta?" A minha foi: "e quem quiser continuar a estudar com vocês nessa perspectiva, como fazer?" Nós oferecemos online coaching, para se inscrever o e-mail é tal, e chegando em casa, lá em Miami mesmo, eu já mandei o e-mail, falei que queria começar, voltei para o Brasil, voltei para a minha rotina e comecei a fazer esse treinamento online. Era um treinamento muito demandante, exigia no mínimo 4 horas por dia, então eu tinha que jogar essas quatro horas de prática no meio de uma rotina de 8 horas dentro do serviço público, dentro do escritório, com ar-condicionado e computador, que muitos aqui conhecem. Então eu fazia um pouco de manhã, eu fazia um pouco no almoço, eu fazia um pouco à noite, e comecei a me desenvolver cada vez mais. Até que surgiu uma outra oportunidade. Já acompanhando todas as publicações do Ido Portal, meu professor, eu vi que haveria um curso na Austrália, seria uma imersão. E eu fui para lá, passar uma semana, uma semana mesmo, comendo junto café da manhã, almoço, jantar, treinando no mínimo conheci ele ao vivo pela primeira vez. Foi uma conexão muito boa, tanto com ele quanto com vários participantes que são meus amigos até hoje. E ao final dessa semana eu aproveitei para tirar férias, eu teria teria mais três semanas, na Austrália, eu ia passar um mês lá. E eu recebi um convite dele: "você quer continuar conosco e ficar treinando esses dias aqui?" Aí eu falei "lógico!", nem titubeei. Então, essa minha imersão que foi planejada para sete dias, foram 30 dias direto, de muito movimento, ao lado do cara que organizou as ideias dessa cultura do movimento, que é uma força que move a gente aqui na Pratique. Bom, voltei para o Brasil, imagina o tamanho da minha cabeça, a confusão boa que tava rolando lá dentro. Eu ainda trabalhando no serviço público, mas depois dessa vivência de um mês ali. Continuei meu online coaching, comecei uma relação com o Ido Portal e acho que vale a pena falar sobre ele aqui. Não vou falar muito para não me estender, mas ele é um israelense, que depois de... a gente tem uma história, inclusive, muito parecida, depois de muitas vivências físicas, de artes marciais, ginástica, treinamento resistido, ele começou a perceber que a paixão dele não era uma ou outra modalidade, mas sim o movimento e tudo o que isso implica. E ele decidiu juntar isso tudo sobre um guarda-chuva só. Não é questão de fazer isso ou aquilo, de esse ou aquele movimento, mas de praticar movimento e não alguns movimentos. Essa é uma frase muito potente que ele costuma dizer. Então, ele não criou nada novo, no sentido de modalidades, de técnicas. Ele simplesmente criou uma perspectiva onde pôde aproximar, vamos dizer, por exemplo, um dançarino de dança contemporânea, de um praticante de jiu-jitsu, dois esportistas de mundos aparentemente muito distantes, mas que para quem tá de fora, às vezes uma pessoa mais pura, uma criança, não vai ver a diferença. Na dança contemporânea você está rolando no chão sozinho, no Brazilian jiu jitsu você está rolando no chão com outra pessoa, então tem muita coisa em comum, essas pessoas têm muito o que conversar. Então ele começou a juntar esses mundos e tentar achar os pontos em comum ali. Enfim, mantive essa relação com ele e ainda mantenho, durante anos. Quando eu voltei da Austrália, quando eu estava lá, ele perguntou para mim: "daqui a dois meses a gente vai ter um encontro na Tailândia chamado Movement Camp. Mais de 200 participantes ao redor do mundo vão se encontrar para praticar movimento. É um um grande workshop, é um grande acampamento, uma grande imersão. São oito dias, se não me engano, em um Sport Resort, é um resort que é é planejado para a prática esportiva. E aí ele me falou um pouquinho sobre isso, me falou a data, "você vai?" aí eu falei "ah, não dá, eu não vou conseguir ir, financeiro para mim, tirar férias..." aí ele riu e falou "eu acho que você vai". Voltei para o Brasil, falei com minha esposa, a gente planejou nossas férias e fomos para a Tailândia em abril de 2014 ou 2015, se eu não me engano. Essa experiência foi mais uma que fez meu cérebro dobrar de tamanho, porque você começa a conhecer pessoas do mundo inteiro que pensam, agem e sempre quiseram fazer algo como o que você faz. Voltei para o Brasil e nisso a confusão nos serviço público só aumentando. Além de estar trabalhando, além de estar treinando, praticando, essas quatro horas por dia, eu não sei como, algum milagre, mas eu comecei a treinar outras pessoas, também. Amigos, minha mãe foi uma das minhas primeiras alunas, minha esposa, amigos de amigos... e muitas delas falavam a mesma coisa para mim. Uma delas, especificamente, a Carol, chegou e falou "isso que você está fazendo é muito potente, está mudando a minha vida, está mudando o modo como me relaciono com meu corpo, mas faria muito mais sentido para mim se fossem em grupo. "Você não pensa em dar aula em grupo, não?" Isso começou a se repetir, vários alunos plantando essa sementinha na minha cabeça, para dar aula em grupo, dar aula em grupo... Então, primeiro surgiu a necessidade e começou a fazer sentido para mim eu comecei a chamar três, quatro pessoas, às vezes, para ir lá para casa, para baixo do prédio, para um gramado, e falar "vamos treinar, praticar juntos". Comecei a fazer encontros outdoor, fiz os primeiros encontros. Até que eu percebi que não fazia mais sentido eu ter essa vida dupla, estar dentro do serviço público e estar tentando seguir meu sonho que era coisa que eu acreditava e acredito ainda. Primeiro, eu consegui uma redução de horário lá, para ter mais tempo livre e depois eu decidi: "eu vou abrir, eu vou abrir um espaço, eu vou abrir um lugar". Procurei parcerias, procurei sócios, mas muitas vezes ninguém entendia o que eu estava querendo, ou às vezes queriam mais se aproveitar da expertise técnica e entrar como investidor. Eu nunca entendi e até hoje não entendo nada sobre business, sobre negócios, inclusive para vocês que estão vendo esse podcast pelo YouTube, que tem imagens, eu estou no escritório da Pratique Movimento Eu não eu não sento aqui, eu não sou isso eu, sou professor. Eu sou professor, fundador. É assim que eu me defino e é assim que eu gosto de ser. Então não tinha como começar um negócio, business, eu não tinha essa expertise na época. Eu ia fazer uma parceria com duas pessoas que eu não conhecia na época. No dia que eu acordei para assinar um contrato, meu pai me ligou e falou: "filho, não vai lá, não. Eu estou aposentado, eu vejo que é isso que você gosta, eu vou ser seu sócio, vamos fazer uma parceria juntos." Foi a melhor coisa que poderia ter acontecido, saímos em busca de um espaço para alugar e achamos aqui no bairro onde nós moramos um espaço que era uma antiga escola de balé. Então tudo encaixou perfeitamente, um chão bom de madeira, o espaço bom. Assim que a gente encontrou foi até emocionante, sabe, a gente já tinha visitado cinco ou seis lugares e simplesmente não batia. Quando a gente entrou nesse lugar, eu arrepiei e falei "é aqui, é aqui que a gente vai montar". Alugamos, montamos a empresa, toda essa burocracia que chega me dá arrepios, mas não arrepio bom que acabei de mencionar, sim um arrepio ruim, e eu botei dois barquinhos para andar ao mesmo tempo: meu emprego regular ali no serviço público, eu trabalhava em um órgão muito legal, eu era especialista em financiamento de projetos de educação no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, depois eu fui para o Inep, um outro Instituto também de estudos e pesquisas educacionais, ou seja, querendo ou não eu ainda estava inserido em ambientes educacionais e não era algo ruim, era algo bom, eu gostava de lá, mas eu amava o movimento. Botei eesses dois barquinhos para andar. Comecei a dar aulas de manhã, no horário do almoço, à noite. Sempre nessa vida dupla. Quando eu senti que o barquinho Pratique Movimento começou a ficar mais robusto, eu falei "eu preciso tomar coragem e preciso dar o salto". Para dar o salto não tem como você ir aos poucos, um salto é um salto, tem um momento de incerteza. Você está no ar e não sabe o que vai acontecer. Foi muito difícil, não foi fácil, não é algo que eu lembro e falou "nossa, para mim foi a coisa mais tranquila de se fazer". Na minha cabeça sim, era a coisa mais certa de se fazer. Mas as minhas células, os medos, as construções, os traumas, todos eles começaram começaram a gritar "você vai fazer isso mesmo? Você vai sair da sua segurança total, da sua segurança para o resto da vida?" Só que as pessoas às vezes a minha própria cabeça não entendia que essa segurança na verdade era uma prisão. Era aquele jargão, a famosa jaula de ouro. Era de ouro, mas era uma jaula e eu estava ali. E decidi dar o salto, pedi a exoneração. Não pedi nem licença para poder tratar de assuntos particulares e voltar depois de um tempo. Pedi exoneração, pois eu não queria ter nem a chance de voltar para lá. Hoje em dia eu não consigo imaginar minha vida lá dentro. Enfim, esse foi o início da "Pratiquinha". Hoje em dia, eu e os alunos aqui da escola Pratique Movimento estamos em outro local, vou contar para vocês como foi essa jornada. A gente fala com muito carinho da Pratiquinha. Nós ficamos lá de três a quatro anos, em um espaço de mais ou menos 40, 50 metros quadrados, até que, 30 alunos em um espaço desse, a gente chegou no melhor dos problemas, que é: o espaço ficou pequeno para o tanto de gente querendo. E aí a gente decidiu dar um passo maior, a gente decidiu subir a primeira escola de movimento do mundo, do zero, do chão. Construir um prédio, um centro, um clube, um espaço, um templo para mim, para a prática de movimento. Eu digo a primeira escola de movimento que foi construída do zero porque algumas existem ao redor do mundo. A nossa, para vocês terem ideia, foi a segunda. A primeira foi em Israel, de um dos alunos do Ido. Depois fomos nós, depois teve uma em Boulder, no Colorado, nos Estados Unidos, e hoje em dia nós temos algumas. Mas a que foi construída mesmo, primeiramente, do zero, foi a nossa. Falo isso com muito orgulho, porque foi mais um grande passo, e hoje em dia a gente está gravando isso aqui nesse espaço. Bom, a escola prática em movimento. O que é a escola Pratique Movimento e o que a gente ensina aqui? O que é a tal prática de vida que a gente tenta ensinar aqui e eu vou explicar para vocês por que eu digo "tenta" e não "ensina". Eu digo "tenta" porque para mim a prática de vida, ensinar, viver, ter uma prática de vida é um verbo, é algo que está em construção. Isso me lembra a frase de Epíteto: "a felicidade é um verbo", você não chega na felicidade, você constrói a felicidade no dia a dia. E você ter uma prática de vida, para mim é um verbo. O movimento, ele pode se tornar uma prática de vida. Não estou dizendo que a única, existem várias práticas de vida e todos nós, seres humanos, podemos procurar as nossas. Pode ser fazendo artesanato, fazendo pão, trabalhando, sendo professor em uma escola, você pode fazer no triathlon, você pode escolher sua prática de vida. Existem alguns pré-requisitos para ser uma prática de vida, mas você pode construir a sua. Você constrói, é orgânico é para você, é uma coisa individual. E eu acredito que o movimento se encaixa muito bem nesse conceito de prática de vida. É uma perspectiva ampla, complexa, que te traz longevidade, te traz sustentabilidade para o seu corpo, para que você continue usando ele de modo saudável até o final de sua vida. Ele te estimula a inserir hábitos saudáveis na sua vida. Então você escolher uma prática de vida que, de quebra, traz todos esses subprodutos... e muito mais! Por exemplo, o social, a comunidade, estar em comunidade, estar junto de pessoas trilhando essa mesma caminhada com você. Eu costumo dizer que a trilha que cada um faz é solitária, mas a jornada como um todo é uma jornada coletiva. Se você está inserido em um ambiente, uma escola, uma comunidade em que você sabe que mais pessoas estão partilhando dos mesmos valores que você, você saber que essa é coletiva, isso dá uma força muito grande. Então para mim a prática de vida é algo que é cultivado no dia a dia, e o movimento pode servir como um microcosmos, um laboratório, para que a gente use lá fora o que a gente aprende aqui dentro. Porque não existe lá fora e aqui dentro, é tudo uma coisa só. O Rodrigo que está aqui dando aula na escola Pratique Movimento, ele é, ou pelo menos deveria ser, o mesmo Rodrigo que está fazendo compras no supermercado, que está conversando com o caixa do supermercado, com respeito, ouvindo, olhando no olho, que está em casa, com suas obrigações, na família... Não estou dizendo que é fácil, que eu faço isso. Tenho um monte de defeitos, mas por estar inserido em uma prática que constantemente está me fazendo olhar para quem eu sou, de que modo eu estou fazendo essa atividade? Qual o modo que você encarou aquele parceiro quando ele te deu aquele comando? Como você fez esse movimento? Como estava sua mente antes de começar essa atividade? Você já estava partindo do pressuposto que ia fazer muita força ou você entrou nela relaxado, aberto para as possibilidades? Então, eu estar aqui, todo dia, presente em uma atividade que me faz pensar sobre como eu vou pisar, caminhar, agir, reagir nesse mundo é algo que é totalmente transferível para tudo que eu vou fazer fora daqui, desse espaço, dessa caixa. Costumo dizer para os meus alunos isso, e eu digo para todos vocês que fazem qualquer tipo de atividade física: não fiquem dependentes de um espaço, de um espaço físico. Ailton Krenak diz que a gente já mora em uma caixa, a gente já dirige caixas ao longo do dia, e aí para a gente fazer nossa prática de vida, nossa prática física... ficar dependente de uma caixa também, não é algo que eu concorde. Então, eu sempre falo para eles "levem o movimento para fora dessa caixa aqui também, levem para os parques, para casa, construa um espaço no seu quarto para você praticar movimento". Isso, inclusive, é um dos grandes bons subprodutos que a pandemia trouxe. A pandemia é uma restrição e tem um conceito de uma professora minha de dança chamada Shai Faran, uma israelense, que diz assim. Ela costuma passar para a gente algumas atividades, e ela queria restrições. Ela fala "estou criando essas restrições para trazer liberdade". Então, por exemplo, a gente só vai se mover pelo chão, mas a gente não pode descolar a mão direita do chão, isso é uma restrição. Por passar rounds e rounds se movendo pelo chão, com a mão direita no chão, você foi obrigado a achar novas possibilidades com seu corpo, ou seja, essa restrição inicial te trouxe liberdades. Por isso que eu disse agora atrás que o movimento é um laboratório, é uma prática, um microcosmos, para a a vida. Enfim, essa restrição que a pandemia trouxe, de a gente estar em um espaço confinado, de estar em casa, de ter que fazer algumas atividades online trouxe algumas liberdades. Algumas liberdades no sentido de moldar a nossa própria casa, um ambiente em que a gente vive. Então, muitas pessoas se livraram de um sofá velho que não tava usando, doaram uma cama, afastaram os móveis, tiraram tapete, compraram alguns equipamentos, um lugar para se pendurar, uma peça de tatame, um tapete... e fizeram um espaço na sua própria casa para se movimentar. Isso é lindo, isso é um bom subproduto da pandemia. Um outro bom subproduto que ela trouxe é a autonomia. Porque quando a gente está indo sempre para as aulas, eu percebi isso muito com vocês, meus alunos que estão me escutando, e com certeza vocês que fazem alguma outra atividade talvez possam ter sentido isso na pele. Quando a gente está aqui, com o professor na frente, é ótimo, é muito bom. Inclusive, eu sinto muita falta disso, por isso que eu vivo buscando professores eu vivo buscando, eu sou um eterno aluno. Tem uma professora aqui da Pratique Movimento, que é a minha aluna também, a Ana Terra, que ela diz que escolheu ser professora só para usar como desculpa para continuar sendo aluna a vida inteira, e eu me conecto muito com isso que ela disse. E ser aluno exige que a gente tenha uma parte de heteronomia, quando você está estudando diretamente com o professor ali, mas você precisa daquela parte da autonomia. E eu costumava dizer essa palavra, autonomia, às vezes até sem entender muito bem como que eu ia ensinar isso para os alunos, e a pandemia me fez perceber que não sou eu que vou ensinar eles a ter autonomia. Eles precisam dessa vontade, eles precisam ter algumas ferramentas no bolso, mais essa vontade, o tempo disponível para desenvolver essa autonomia sozinhos. Então, essa palavra começou a pipocar dos alunos falando "caramba, professor, nessa pandemia eu finalmente entendi aquela palavra que a gente escuta muito aqui, de desenvolver autonomia, pela primeira vez eu desenvolvi a minha autonomia de praticar sozinho em casa, eu estou ensinando pessoas em casa, enfim, muitas e muitas boas coisas aconteceram, também, no meio dessa confusão toda em que o mundo se meteu. Mas e a escola Pratique Movimento no meio disso tudo? Quem é essa escola, essa identidade, esse arquétipo que se criou? A escola Pratique Movimento, para mim, acima de tudo, ela é uma página em branco. Ela é uma página em branco porque muita coisa pode ser escrita aqui. Esso é algo que eu costumo dizer para minha equipe de professores. Gente, a Pratique não é algo fixo, ela não chegou, ela não chegou a lugar nenhum. A visão que eu tenho dela é algo totalmente modular, de uma outra consistência, não sólida, que pode desprender, fazer fusões, fazer amálgamas, e a gente não sabe o futuro, a gente pode escrever nossa própria história aqui. Então ela é uma página em branco, mas não quer dizer que ela não tenha uma introdução, que ela não tenha sonhos ali por trás dela. A Pratique Movimento surgiu para unir pessoas que sempre sentiram que precisavam de algo mais no corpo, que sempre sentiram que existe algo mais do que uma ou outra modalidade, ou só os valores da estética, ou da performance. Então, eu costumo dizer que tem três tipos básicos, existem muito mais, mas eu vou botar em uma caixinha, vou rotular, vou fazer algo que eu odeio que façam conosco, que é rotular. Vou falar sobre isso já, já, mas eu vou botar em uma caixinha os tipos de público, de pessoas que vêm procurar a gente aqui. Um, talvez o principal, pessoas que sempre gostaram de esportes, sempre praticaram esportes na infância, na adolescência, e que, no rio da vida, foi te levando para outras direções, você foi focando mais no trabalho, às vezes filho, família, você começou a negligenciar seu corpo. De repente, um pouquinho mais para frente começou a perceber: preciso voltar para as atividades físicas, vou voltar a fazer o que eu gostava, voltar a jogar bola, a lutar, dançar, e aí percebe que o corpo já não está mais tão responsivo. O corpo, ele está se movendo em direção à degradação. O que a gente pode fazer é minimizar esses efeitos e dar uma qualidade de vida maior, mas todos os corpos estão se movendo nessa direção, não tem ninguém aqui ficando mais novo. E as pessoas percebem estou negligenciando meu corpo, quero voltar, não tenho as ferramentas para voltar sozinho. E aí duas coisas podem acontecer, na verdade, três coisas. Você pode desistir. Isso não é mais para mim, desistiu. Escolheu, fez a sua escolha, seguiu um caminho, vai pagar um preço. Todos os caminhos são escolhas e têm preços, não estou aqui para dizer qual é o certo. Segundo caminho: você percebe que não dá para fazer exatamente aquela atividade que você queria fazer, que você gostava, mas existe uma outra que talvez seja mais adaptada para você e você vai migrando, "essa aqui é mais amigável, é um pouquinho menos agressiva para o meu corpo". Mas daqui a cinco anos pode ser que você perceba que essa também não dá, aí você vai para outra, aí você vai para outra, até que você pode terminar, simplesmente, apenas caminhando. Não estou dizendo que caminhar é ruim, caminhar é muito bom, é algo totalmente subestimado por nós, pela nossa sociedade, eu faço isso. Mas o que que acontece nesse segundo caso: ao invés de você escolher sua prática a sua prática escolhe você. Por causa das suas restrições, você começou a buscar atividades que "ah, essa eu ainda consigo fazer." Mas, às vezes, você poderia, se tivesse um suporte educacional, um processo por trás, escolher outra, que é o terceiro caminho, que é falar "eu vou procurar alternativas" e isso pode ser infinito, você pode ser um autodidata e buscar na Internet, hoje em dia toda a informação está lá, o difícil é achar boa informação, então falta de informação não é mais um problema na nossa sociedade, o problema é achar, é filtrar as boas informações. Você pode procurar um bom professor. Você pode procurar um bom espaço, fazer cursos e se desenvolver. Então, o público, voltando no que a gente estava falando, o público, talvez até o que mais procura são pessoas que sempre fizeram esportes, perceberam que estavam perdendo algumas qualidades físicas e decidiram voltar aqui para a Pratique Movimento. O segundo público, que costuma procurar a gente, ele é bem peculiar e muito grande, também. Eu gosto muito de trabalhar, gosto muito de trabalhar com todos, porque todos têm suas peculiaridades. São os sedentários, pessoas que sempre negligenciaram o corpo. E esses talvez comecem a pagar o preço um pouco antes daqueles que já fizeram pelo menos algum período de atividade em suas vidas. E aí, às vezes, por recomendação médica ou por um baque que toma na vida, um problema de saúde ou às vezes até um insight, uma sacada que chegou, eles percebem "preciso fazer alguma coisa". E vêm procurar gente aqui. Ótimo, e aí eu digo um jargão do treinamento de força, que é "quanto menos treinado o indivíduo é, mais treinável ele é". Que que isso quer dizer? Se você tem menos habilidades, a sua curva de evolução vai ser muito maior do que a de pessoas que sempre estiveram fazendo coisas, sempre estiveram trabalhando o corpo de uma ou outra maneira talvez a curva de evolução seja um pouquinho menos íngreme, um pouquinho menos para cima. Então é muito bom trabalhar também com essas pessoas. Eu vou dizer um jargão aqui, uma frase de efeito, eu vou falar uma frase de efeito do pessoal da sustentabilidade. Do ambientalismo. A melhor época, eles costumam dizer isso em termos de árvore, mas eu vou dizer em termos de praticar movimento. Às vezes as pessoas me perguntam: "ah, mas eu estou muito velho, qual é a época ideal para começar?" A melhor época para começar a praticar movimento era época é agora. Então é muito bom trabalhar com pessoas que tiveram esse insight, essa sacada, e é muito bom poder ajudar, contribuir na caminhada dessas pessoas. E o terceiro público que costuma procurar a gente são os entusiastas, as pessoas, que assim como eu, sempre estavam procurando um lugar, uma prática dessa, sem saber que ela existia. Pessoas que sempre gostaram de praticar diferentes atividades, que pulavam de uma atividade, de um esporte para o outro, e quando chegam aqui os olhinhos brilham, o corpo arrepia e fala "era isso que eu estava procurando e não sabia." Nós temos valores e temos missão, temos sim, apesar de que, como costumo dizer, isso também é modular, também é um verbo, também a gente pode, ao longo da jornada, adquirir conhecimento para ir moldando. Mas eu acho que a essência fica, a essência é que nós estamos aqui para ajudar as pessoas a se conectarem mais com seus corpos, a entenderem melhor os seus corpos, a manter uma qualidade de movimento melhor. Mas qualidade de movimento para qual movimento? Para todos os movimentos, de coisas difíceis, de malabarismos, mover pelo chão, até descer uma escada, escovar um dente, fazer uma trilha, qualidade é uma das palavras chaves. Não é o que a gente faz, quando a gente faz, por que a gente faz, é como que a gente faz. Então "como" é uma das palavras-chave aqui. Além disso, uma das nossas missões é que essa comunidade que a gente está construindo aqui se auto-regule com o tempo. Que as pessoas não fiquem dependentes só do grupo de professores, do corpo de professores da escola, mas que os próprios alunos comecem a ser atores e assumir papéis ativos aqui dentro. E, quem sabe, transformar essa escola em uma Universidade, né, usando uma analogia aqui. Quando eu falo comunidade, às vezes, as pessoas podem não entender. Mas eu costumo dizer que a Pratique é um clube. Aqui a gente não se matricula para um ou dois dias da semana, ou três, você vira sócio de um clube, você vem quantas vezes você quiser. Você passa o dia aqui se você quiser, você vem para cá para trabalhar, muitas pessoas vêm aqui para fazer coworking, você vem para cá para ir direto para o trabalho, ou voltando do trabalho, toma um banho, faz uma prática. Você vem para cá para tomar um sol, a gente tem um terraço aqui, vem para cá para conversar, vem pra cá para se conectar, você vem para cá para aprender, vem para cá para meditar, nós temos uma salinha só para isso, para nossa prática interna. Tudo que é construído aqui é junto com os alunos, nós temos plantas na parede, ornamentais, e foi uma aluna, que é botânica, Maria Rosa, que falou "eu me ofereço para fazer o projeto aqui das plantas", dentre várias outras coisas aqui. De repente, eu chego aqui um dia e o meu pai tá consertando o climatizador e um aluno tá lá junto com ele. Às vezes um aluno vem com ideia, às vezes quando a gente tá fazendo o nosso brainstorming, nossa tempestade de ideias para o próximo ciclo, dos conteúdos do nosso ciclos, os alunos vêm com ideias também. Já que eu falei sobre os ciclos eu acho que vale um pouquinho a pena falar sobre eles, como que a gente divide as aulas aqui. Não vou me estender porque o objetivo desse nosso episódio não é falar muito sobre a parte técnica, mas às vezes as pessoas olham de fora e podem pensar que nós estamos fazendo um apanhado de exercícios totalmente aleatórios. Não, nossa prática é diversa. Mas uma prática diversa não quer dizer uma prática aleatória. Nós combinamos esses conteúdos em uma sequência lógica, que faz sentido, e de seis em seis semanas a gente embaralha eles, algumas coisas continuam, outras saem, e assim a gente vai crescendo, vai engrossando a caixa de ferramentas de todos os alunos. Uma outra missão daqui da escola Pratique Movimento, que algo que eu venho refletindo, principalmente nos últimos tempos... Inclusive, tudo que eu estou falando aqui, galera, provavelmente daqui a dez, quinze, vinte anos, pode ser que mude. Vocês estão ouvindo agora a cabeça do Rodrigo Salulima, fundador da escola Pratique Movimento, nesse exato momento, nessa mesma hora, desse ano. Então, tudo pode mudar a gente tá aqui para se desenvolver. Inteligente é quem muda de ideias. Algo que eu venho refletindo muito nessas últimas semanas é que a Pratique Movimento, essa nossa escola e essas sementinhas que a gente está plantando em Brasília, no Brasil, no mundo, vai servir para pavimentar a estrada, para facilitar o acesso, no futuro, de pessoas que querem praticar movimento, mas que não querem se prender a algo que já existe. Que querem brincar mais, dançar mais, improvisar mais, lutar mais. Pois hoje em dia se eu estiver no parque fazendo meus movimentos, às vezes não é algo que vai ser absorvido, que o cérebro das pessoas vai olhar e vai absorver, e vai se conectar com aquilo tão fácil. Talvez uma criança sim, 5, 6 anos de idade, as crianças se aproximam na hora, olham para mim, tentam me imitar, imitar meus alunos nos aulões que a gente faz abertos. Mas os adolescentes e os adultos já começam a olhar com um pouco de estranheza, porque a gente está brincando a gente está jogando, a gente está inventando os jogos, também. De vez em quando eu vou estar me equilibrando em cima do corrimão, ou vou estar fazendo uma brincadeirinha com a bola de tênis, ou um bastão, um cabo de vassoura, ou a gente vai estar se movimentando pelo chão. E pode ser que algumas pessoas julguem, "olha os esquisitos no parque" e eu acho que inclusive Ido Portal sempre falou isso, "be the weirdo", seja o esquisito do parque. E eu acho que por serem pessoas, um conjunto de boas pessoas, cultivando boas práticas, nós podemos inspirar os outros a serem esse esquisito e talvez esquisito no futuro não seja mais tão esquisito. Talvez a gente ajude a pavimentar essa estrada, como eu falei, para os jovens do futuro estarem brincando mais, jogando mais e digo mais ainda sobre isso. Talvez o modo como a cidade é construída comece a mudar. Talvez nos pontos de ônibus comece a ter lugar para as pessoas se pendurarem, agacharem. Eu tenho um projeto com dois alunos aqui da Pratique Movimento, um que é designer, o outro arquiteto, de a gente construir na pracinha aqui na frente um "kit movimento". Não um kit malhação desses comuns que já existem. Mas um kit um pouquinho mais aberto, mais modular, espalhar esses kits pela cidade. Abrir possibilidades, criar as condições. Eu acho que a palavra principal, a frase principal é "criar as condições para que as pessoas se movimentem mais", que é isso que a gente faz aqui dentro. A gente não ensina ninguém a se mover. Eu não não posso, não tenho esse poder de pegar um aluno e falar vem cá, pegar na mão dele "você vai fazer esse, esse, esse movimento, desse, desse, desse jeito" eu não consigo fazer isso, nenhum professor consegue fazer isso. O que a gente tenta fazer aqui é criar as condições, criar um ambiente favorável para que essa educação floresça. Ele precisa querer, ele precisa fazer. Ele é o ator principal. A gente hoje em dia está com mania de querer terceirizar tudo. A gente quer terceirizar o modo como a gente come, vai atrás, contrata nutricionista. A gente quer terceirizar o modo como a gente cura uma lesão, vai atrás, contrata fisioterapeuta. É ótimo, eu tenho meu nutricionista, eu tenho meu fisioterapeuta. Recomendo a todo mundo procurar bons profissionais, mas a não terceirizar tudo, a fazer o seu próprio estudo, a ser um agente responsável, auto-responsável. Né, nós somos, nessa parte de recuperação de lesão, fisioterapia, por exemplo, você adquire ferramentas, pede ajuda, pedir ajuda é muito importante, se mostrar vulnerável, buscar com quem sabe mais, mas o principal agente de cura somos nós mesmos, o nosso corpo, ele é uma máquina de resolver problemas. Essa é uma frase de um dançarino da Suécia chamado Rasmus. Rasmus Olm. Inclusive em algum outro podcast eu vou ler uma frase dele que está na monografia do doutorado dele. Nós somos uma máquina de resolver problemas, ou seja, o corpo está se movendo sempre em direção à cura. Às vezes a gente não dá, não cria um ambiente favorável para que essa cura aconteça. Às vezes, só de criar um ambiente favorável, seja com a prática física, com a nutrição, com exercícios, com a mudança de mentalidade, com a meditação, com uma fuga, umas férias, uma conversa com um amigo, um desabafo, uma terapia, com seu terapeuta... Só de criar as condições favoráveis, de abrir o espaço, o corpo vai se mover em direção a essa cura. Nessa altura do episódio já deve ter dado para entender um pouquinho quem é o Rodrigo Salulima, o que é, da onde veio a Pratique Movimento Mas para onde vamos? Para onde vamos todos? Eu acho que o Rodrigo e a Pratique se confundem nessa pergunta e eu vou tentar falar um pouco sobre isso. Para onde vamos? É uma página em branco já disse isso aqui. Mas eu acho que a gente tem algumas direções. Eu acho que a gente vai em uma direção de inspirar, de abrir caminhos, de tornar, no início, o bairro onde a gente está em um bairro conhecido por ter muito movimento, por ter pessoas praticando movimento na rua, depois fazer isso com Brasília. Brasília se tornar conhecida como uma cidade do movimento, onde as pessoas se movimentam, estão na rua, estão fora de casa, estão buscando práticas físicas mais diversas e, lógico, Brasil, mundo. Eu acho que escola Pratique Movimento vai acabar evoluindo um dia para uma universidade. E aí é só um jogo de palavras que eu faço aqui, mas o que eu quero dizer com Universidade é ter mais braços demais espaços dentro da escola para pessoas que querem se aprofundar em uma ou outra área, ter os próprios alunos criando esses braços e se tornando os agentes responsáveis pelo crescimento desses braços. Então, fazer grupo de estudos, imersões, fazer clube do livro, tudo nesse sentido de abrir novas possibilidades aqui dentro. Fazer encontros fora daqui, apresentações, às vezes até artísticas, não sei, é uma página em branco, mas chuto que a gente vai para esse lado da universidade, de construir em conjunto coisas novas, modulares e mutáveis. Penso também que vamos chegar no momento de começar a levar esse conhecimento um pouco mais para fora daqui. A gente não costuma dar muitos workshops, algumas pessoas questionam isso. Por que vocês não dão tantos workshops? Para mim a Pratique Movimento é um bebê ainda. Como eu disse no início do episódio, a gente não chegou a lugar nenhum. A gente continua caminhando, talvez a gente nunca vai chegar, e essa é a beleza do jogo. É um jogo infinito, um jogo que nunca acaba. Um jogo em que o melhor não é quem ganha, é quem continua jogando por mais tempo. Esse é o conceito de jogos infinitos do, James Cars. Então eu acho que a gente precisa durar muito tempo para que as coisas floresçam. Mas voltando no workshop, somos um bebê. Nesse início, eu estava concentrado, e os outros professores, a equipe, quando eu falo "eu", galera, é eu, a Pratique Movimento, a entidade Pratique Movimento. A Pratique estava concentrada em crescer de dentro para fora, então a gente fortalecia o nosso núcleo, a nossa essência, nossa tribo principal. A gente botava nossa energia aqui. Construir um núcleo forte, uma base forte. Agora sim, que a gente está um pouquinho mais bem estabelecido, que é um bebezinho ali de pernas... mas 2, 3 anos é aquela idade, né. É uma idade das mais complicadas, você olha para um lado, quando você olha para o outro, já está na beira do precipício, com a cabeça na boca de um leão, com o dedo na tomada, entrando no fogo, mas já está caminhando com as próprias pernas. Então a Pratique já está caminhando com as próprias pernas. Pode ser que seja o momento de a gente começar a espalhar esse conhecimento em formatos de workshop ou imersões, pessoas virem para cá fazer imersões. eu acho que a gente está chegando nesse momento. Vamos finalizando por aqui esse nosso primeiro episódio. Se vocês se conectaram com essas ideias, com essa prática, com essa perspectiva, se inscreve aí no canal do YouTube, se inscreve no podcast, fiquem ligados no site, na página, para as próximas apresentações que vamos fazer, para os próximos produtos que vamos apresentar. Provavelmente não será sempre só eu falando, a gente vai ter alguns convidados, professores da Pratique Movimento, professores de outras escolas, a gente vai bater papo sobre várias outras coisas, sobre pontos específicos da prática, às vezes a gente vai fechar em um tema só, às vezes deixar um tema mais aberto, a gente vai abrir para perguntas, a gente está colecionando perguntas dos próprios alunos, também. Podemos um dia abrir perguntas para pessoas de fora, também. Enfim, acho que a sementinha foi plantada, espero que esse nosso projeto cresça cada vez mais, e é isso, galera. Conto com vocês aí, para ajudar a gente nessa jornada, porque como eu disse lá no início, isso aqui é uma comunidade, ela é construída em conjunto com todos vocês. Valeu! [Música]

38 visualizações0 comentário